Um paraíso chamado Visconde de Mauá

capa-visconde

As vilas de Visconde de Mauá, Maringá e Maromba são um refúgio entre os Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro. O que mais chama atenção na região é a natureza preservada, as imponentes cachoeiras e a variedade de delícias gastronômicas. As vilas se completam e são um destino essencial para todos os viajantes que procuram o sossego da serra, clima fresco, ecoturismo e muita aventura.

Cachoeira do Escorrega, Maromba, Rio de Janeiro
Cachoeira do Escorrega, Maromba, RJ

Passei três dias nesse paraíso a apenas três horas do Rio e planejo voltar sempre que possível. Há opções de hospedagem para todos os bolsos, camping, hostel até pousadas. As mais sofisticadas ficam em Mauá e as mais baratinhas em Maromba. No site oficial e no booking.com você encontra várias opções. Nós ficamos na Pousada da Carmen, em Maromba, e o custo-benefício foi excelente. A diária para o casal ficou em R$150 no fim de semana, com quartos confortáveis, lareira e café da manhã colonial. É um destino perfeito para fugir do calorão nas águas geladas de Mauá.

Para chegar é só ir pela Dutra, pegar a saída para Penedo e seguir pela Estrada Penedo-Mauá são 36 km. A estrada conhecida por suas crateras e difícil acesso, hoje está asfaltada na maior parte de sua extensão, facilitando bastante a chegada dos viajantes. Mas muitos caminhos ainda são de terra, então o ideal é ir com um carro alto ou ter bastante cuidado e paciência. Os dois estados separados pelo Rio Preto contam com cachoeiras em áreas públicas e privadas, ou seja, algumas são gratuitas outras cobram entrada, mas ainda assim todas valem a pena.

 

A joia de cada vila

Vale do Alcantilado - Maringá, MG
Vale do Alcantilado – Maringá, MG

Em Maromba estão as cachoeiras mais conhecidas como a do Escorrega, Poção dos Sete Metros e o Véu da Noiva, todas próximas. Na Cachoeira do Escorrega, cartão-postal da região, é permitido chegar bem próximo de carro, tem estacionamento e uma área de bares com oferta de cervejas da região. Lá a tranquilidade reina, há poucas lojas e restaurantes, que concentram-se próximo à praça. Então, à noite acabávamos saindo para as outras vilas ou ficávamos quietinhos na pousada.

Maringá tem um pé no Rio e outro em Minas. No lado mineiro, um dos meus locais favoritos é o Vale do Alcantilado. Por lá, um dos lugares essenciais para conhecer é o Sítio do Alcantilado. Uma propriedade privada com uma sequência de nove cachoeiras, que em cerca de uma hora de caminhada moderada é possível passar por todas. A última garante uma vista de todo o vale e tem cerca de 50 metros de queda.

Na entrada é cobrado uma taxa de R$14 por pessoa, mas logo percebemos que o valor é revertido em melhorias e acessibilidade para os visitantes. O sítio é extremamente bem cuidado, com cordas, corrimão e pontes na trilha.

Pela facilidade de acesso o lugar também costuma ficar cheio, então escolha dias mais alternativos para visitar. Próximo ao vale também há o Museu Duas Rodas e o Parque das Corredeiras. Com certeza, um dia será pouco para conhecer tudo. A estrada de terra que dá acesso ao vale fica do lado direito da pista, logo após o posto de gasolina, para quem vem de Mauá. Essa é uma das vias mais esburacadas, então caso queira poupar a suspensão do carro, há empresas que disponibilizam o passeio.

A noite os mineiros também mandam bem. A Alameda da Gastronomia conta com boas opções de restaurantes, a maioria voltada para casais. Alguns têm música ao vivo e um Jazz Club, logo na entrada da alameda, chama atenção. Ambiente lindo, música boa, pratos refinados e staff simpático, mas vá com a carteira cheia, só o couvert artístico varia de R$20 a R$40 por pessoa.

De volta para o lado carioca, a noite em Maringá também é animada e com mais opções que cabem em um orçamento apertado de viagem. A Fábrica da Cerveja, logo ao lado do japonês Warabi, oferece visita e degustação de suas produções artesanais, o boteco Pé de Pinhão é um destino animado com música ao vivo e clima rústico, e a Pizzaria Girassol, que fica em um sobrado também na rua principal, não deixa nada a desejar em questão de sabor.

Entre Visconde de Mauá e Maringá fica a Cachoeira do Marimbondo. Um destino um pouco mais isolado, mas talvez um dos mais bonitos. O acesso é pelo Vale do Pavão, o carro fica na estrada e uma trilha de 15 minutos bastante íngreme leva ao poço. O acesso é gratuito e fica a apenas 10km de Mauá.

Em Visconde de Mauá, em si, você vai encontrar os restaurantes mais premiados, o Centro Cultural e um ponto muito importante, logo na entrada, que é o Posto de Informações Turísticas. Lá, é onde você pode pegar mais informações e mapas da região. Não desbravamos tanto essa área pois pegamos alguns dias de chuva na viagem e por incrível que pareça, quando você resolve ir à Mauá, a maior parte dos picos para conhecer ficam nas vilas do entorno.

Gastronomia: A terra da truta e do pinhão

Maringá é uma vila vizinha de Visconde de Mauá no lado mineiro
Maringá é uma vila vizinha de Visconde de Mauá no lado mineiro
Uma especiaria presente nos cardápios de todos os restaurantes da região é a truta. É possível encontrar o peixe preparado das mais diversas formas e acompanhamentos, grelhada, frita, com amêndoas ou cogumelos até mesmo em pastinha defumada.
A melhor época para experimentar as receitas é no período de outubro a novembro, quando acontece a Temporada da Truta. Cerca de vinte restaurantes se unem para mostrar novidades nas técnicas de preparo e receitas dificilmente encontradas em outros lugares do Brasil. Ao entrar na cidade pegue informações sobre os restaurantes participantes.
Outro ingrediente amplamente usado é o pinhão, a semente da araucária, árvore símbolo da região e amplamente encontrada, é rica em vitaminas e segundo pesquisas combate a azia e anemia. Nós provamos o chopp artesanal de pinhão, da cervejaria local Serra Gelada, encorpado e refrescante a bebida foi mais que aprovada e pode ser encontrada em diversos estabelecimentos.

Então, como diz um amigo meu, vá com sede!

1 Comment

  1. […] Itatiaia é um município que fez parte da minha infância e mesmo assim, sinto que ainda não explorei todos os lugares lindos que a região oferece. Isso sem falar nas cidades próximas, que se você estiver com mais tempo, vale a pena visitar. Como Penedo, Resende e Visconde de Mauá. […]

Deixe uma resposta