Caminhe no paraíso pela Costa dos Corais

Maragogi

Quem já ouviu falar de Maragogi certamente se encantou com as águas transparentes e mornas do nosso Caribe, que já é a segunda cidade mais visitada do Estado de Alagoas, perdendo apenas para Maceió. O que pouca gente sabe é que além de Burgalhau, Barra Grande, Ponta do Mangue e Peroba, paradas obrigatórias ao norte, um paraíso intocado se revela do outro lado de Maragogi. A Rota Ecológica do Sul conserva vastos trechos de praias desertas, onde se instalaram pousadas com boa relação custo/pé na areia.

Nossa aventura começou em Japaratinga. Sem carro, o negócio foi deixar a preguiça e a pressa de lado. Optamos por pegar uma van no centrinho de Maragogi até Japaratinga e a partir daí os caminhos se tornaram os destinos. Caminhar é sem dúvidas uma das melhores maneiras de explorar esse litoral, mas há também a opção de buggy, barco ou a cavalo.

Japaratinga - Costa dos corais

A água azul piscina das praias do sul começa a dar lugar a coloração verde esmeralda e às areias tomadas por algas e conchas. Indo em direção às falésias coloridas surge a praia de Bitingui, contornada por casas de veraneio e águas calmas. Ainda era manhã e talvez não tínhamos ideia do quanto andaríamos para concluir nosso roteiro, que inicialmente era conhecer também as praias de Porto de Pedras e São Miguel dos Milagres.

Seguimos admirando as casinhas simples e as jangadas coloridas à deriva no mar até Barreiras do Boqueirão, mais conhecida como Praia das Bicas, por causa da fonte (encanada) de água mineral. Bicas é a mais movimentada da região por causa dos quiosques que servem refeições. Foi lá a nossa primeira parada para o almoço. Já passava de 14h.

Ao longo de toda a costa, o mar é calmíssimo e não seria exagero dizer que a sensação foi a de que éramos as primeiras pessoas a explorar toda aquela extensão de praias. Os coqueiros a perder de vista descortinam a paisagem e são a melhor sombra na hora das paradinhas. As conchas são das mais improváveis formas e as algas surpreendem nos pontos que tomam a areia.

Bitingui

A deserta Praia do Boqueirão vem logo depois e chama a atenção pelos exuberantes coqueirais. Foram quase 10 km de praia até o último trecho, a Praia do Pontal, um encontro do mar com o Rio Manguaba. É dali que parte a balsa que leva até a vila vizinha de Porto de Pedras. Já era fim da tarde quando decidimos atravessar.

Do outro lado, observamos o pôr do sol com vista para o rio. A vila é muito pacata e foi uma delícia descansar ali, com bom papo e brisa no rosto. A Associação do Peixe-Boi permite a observação da espécie e o passeio completo inclui uma pequena trilha ecológica, mais o rolê de barco pelo manguezal. O Farol de Porto de Pedras tem uma vista panorâmica da praia, da barreira de corais, do rio e do município de Japaratinga.

Porto de Pedras_Rio Manguaba

Geralmente, a cidadezinha é apenas um ponto de passagem para quem vai pegar a balsa para chegar em São Miguel, mas sem dúvidas, vale a visita. Não conseguimos conhecer a Praia do Patacho também pertencente a Porto de Pedras e incrivelmente paradisíaca. O vilarejo ainda conta com mais três praias: Toque, Lajes e Tatuamunha, ponto de observação dos peixes-boi.

Pegamos a balsa na volta com mosquitos, cansaço, mas uma paz enorme. O dia acabou e São Miguel dos Milagres ficou para depois. A cidade fica a cerca de 15 km de Porto de Pedras e felizmente ainda não faz parte do roteiro da maioria dos turistas que visitam a capital alagoana, o que garante à vila de pescadores a preservação do estilo rústico e selvagem. Voltamos no dia seguinte, de carro direto para a travessia da balsa, e aproveitamos o dia lá. Chegamos bem cedinho e vimos a maré subir até o início da tarde.

Boqueirão

Esse não foi o fim da viagem, mas uma coisa é certa: a Costa dos Corais é o lugar ideal para quem gosta de apreciar a natureza pouco explorada e desacelerar a vida e a rotina.

*Texto e Fotos: Caroline Ribeiro