Bate-volta: Filadélfia em um dia

Vista da escadaria do Museu de Arte da Filadélfia

A apenas duas horas de Nova York, a Filadélfia é um destino perfeito para um bate-volta via Big Apple. Compacta, é possível conhecer as principais atrações da cidade em um dia a pé, de bicicleta ou utilizando o transporte público 🙂

Há mapas espalhados pela cidade apresentando a localização dos principais pontos turísticos e a distância que você está a pé de cada um. A prefeitura inclusive incentiva o turismo a pé. O que não é nada mal visto que a Filadélfia tem vários painéis grafitados pela cidade, a cada esquina você pode descobrir um diferente. O sentimento patriota também é muito forte e não poderia seria ser diferente, visto toda história que a antiga capital americana guarda. Programe seu roteiro a partir de onde você estiver vindo.

Como chegar:

Avião, ônibus (GotoBus, MegaBus) ou trem (Amtrak).

Os trens da Amtrak acabam vindo à cabeça de quem não é da cidade por serem mais famosos, mas os valores não são nada amigáveis. Passagens de ida e volta via trem podem custar no mínimo $100, enquanto via rodovia, você consegue pagar até $12 o round-trip.

A diferença de tempo entre esses é de apenas 30 minutos. Então, os altos valores da Amtrak acabam não fazendo muito sentido. Os horários vão de 7h da manhã a até 22h. Dá para aproveitar sem pressa.

Quem vem do aeroporto, uma linha do metrô leva até o centro da cidade e custa apenas $8, mas só aceita dinheiro. Há estações em todos os terminais.

O que fazer:

Liberty Bell

Museums District – Philly tem ótimos museus e quase todos ficam bem próximos uns dos outros, seguindo pela Benjamin Franklin. Entre eles estão o Museu de Ciência, a Biblioteca Pública, o famoso Museu de Arte da Filadélfia – ícone da cidade após o filme Rocky Balboa, que até hoje possui uma homenagem ao personagem na escadaria – e o meu preferido Museu Rodin. O maior acervo do artista, fora da França e que aceita doações na entrada. Pequeno, mas imperdível. Contarei mais em outro post.

Museu Rodin

City Hall – Bem no coração de Downtown, fica o City Hall. O pátio, aberto para visitação, tem sempre alguma coisa acontecendo, gravações, protestos ou mesmo um grupo de yoga divulgando a prática no espaço. O prédio construído há mais de cem anos reserva muita história em cada detalhe e até hoje abriga os governantes da cidade, sendo o maior prédio municipal dos Estados Unidos. Maior até que o Capitol, em DC. Bem próximo de lá em uma de suas saídas fica a JFK Plaza com a réplica da escultura Love – essa é um pouco menor que as de outras cidades, mas já que você vai estar por ali, vale a visita.

Escultura Love na JFK Plaza, Downtown, Filadélfia

Independence National Historical Park – Literalmente o início do sonho americano começou na Filadélfia e são nesses quarteirões, no lado leste da cidade, que eles contam essa história. Você pode começar a visita passando no Independence Visitor Center. Lá, é onde boa parte da história sobre a revolução americana é contada. Visite as exposições, tire dúvidas, pegue um mapa e, se quiser ainda dá para comprar ingressos para o Independence Hall, única parte restrita da área. Logo ao lado, fica o Liberty Bell, sino símbolo da independência americana e motivo de muito orgulho para eles. O sino fica em um hall exclusivo, com fotos de personalidades que já passaram por lá e curiosidades. Uma verdadeira aula sobre os bastidores da independência norte-americana com entrada gratuita.

NAT_4359

Washington Square District  – Bem próximo ao Historical Park fica a Washington Square Park, um bom lugar para descansar depois de tanta caminhada e curtir a cidade. Lá, há dois monumentos importantes, o Washington Grays, que homenageia os voluntários da Guerra Civil Americana e o Túmulo do Soldado Desconhecido da Guerra Revolucionária.

Leia também: Museu Rodin: um pedacinho da França na Filadélfia

Compras:

Fiquei surpresa em ver que a Macy’s da Filadélfia é tão grande quanto à de NYC. Um quarteirão inteiro de construção antiga na esquina da Market st. com a 13th e muuuito perto do City Hall. Vale se não a visita para compras, para ver o prédio.

Onde comer:

O lugar mais famoso e legal para comer é o mercado municipal, o Reading Terminal Market. Com arquitetura linda e diversas opções típicas desde o sanduiche de carne de porco desfiada com molho, ao sorvete e os famosos pretzels macios da Filadélfia (que realmente são mais gostosos). A parte difícil vai ser decidir em qual lugar comer. Os melhores dias para visitar o espaço é de quarta a sábado.

Um pouquinho mais distante ao sul fica o Pat’s King of Steaks. O lugar é conhecido por ter inventado o Cheesesteak, o sanduiche favorito da Filadélfia. E eles fazem graça dessa fama, ensinando, em um cartaz bem grande na entrada, o jeito certo de solicitar seu lanche. O sanduiche em si é gostoso, mas a visita vale mais pelo mood do local. Bem em frente, um concorrente gigante também oferece o prato, então se estiver em um dia lotado experimente e depois me conta o que achou! Eu acabei indo de Uber, pois já estava um pouco cansada e dividindo a corrida ficou bem baratinho. Eles abrem todos os dias 24h, então sem chance de dar de cara com a porta fechada.

Aprendizados:

A máxima de que é sempre sol na Filadélfia se confirmou durante minha viagem. Eu estive na cidade durante o verão e vi como ela pode ser quente. Esse é um local ideal para o turismo a pé, então recomendo ir durante a primavera ou o outono, para poder aproveitar ao máximo 🙂

É claro que a Filadélfia não se resume a apenas essas dicas, pegue seu mapa e vá descobrir também outros pontos  dessa cidade tão bacana, vale muito a pena!

Fonte da Logan Square, bem no início da Rua dos Museus. Nesse calorão quase me juntei aos locais dentro da fonte :)

2 Comment

  1. […] Leia também: Bate-volta: Filadélfia em um dia […]

  2. How could any of this be better stated? It conl’udt.

Deixe uma resposta