Museu Rodin: um pedacinho da França na Filadélfia

Museu Rodin

No Distrito dos Museus, na Filadélfia, um dos lugares mais interessantes é o Museu Rodin. A casa possui a maior coleção de esculturas do artista realista, Auguste Rodin, fora da França. Diferente do gigantesco espaço em Paris, na Filadélfia, a pequena e charmosa casa com jardim externo cabe até nos roteiros mais corridos, de um bate-volta em Philly.

Jardim e área externa Museu Rodin

Há visitas guiadas de hora em hora e os tickets funcionam no esquema de doações. É sugerida a quantia de $10 para adultos, mas se estiver pesado, você pode pagar o que quiser. O passeio é fundamental para entender a história de Rodin e sua arte. Através da visita guiada, consegui captar com mais atenção todos os detalhes das esculturas, que são realmente impressionantes.

NAT_4398

Leia também: Bate-volta: Filadélfia em um dia

No jardim, você já confere algumas esculturas e o clima do lugar. Antes mesmo de cruzar a porta de entrada está uma de suas obras mais famosas, “Os Portões do Inferno”, inspirado na obra de Dante Alighieri e exposta desde a inauguração do museu em 1929. Lá dentro, outras esculturas chamam muita atenção como O pensador, O mártir e o Monumento a Balzac. O artista destinou oito anos de trabalho para representar o famoso escritor. A princípio Rodin seguiu seu estilo realístico, mas depois iniciou uma busca pela essência de Balzac. A melhor maneira para chegar ao local é vir caminhando do City Hall, onde estão as principais estações de metrô. Saiba mais em www.rodinmuseum.org e boa viagem!

Local:

1 Comment

  1. […] Museums District – Philly tem ótimos museus e quase todos ficam bem próximos uns dos outros, seguindo pela Benjamin Franklin. Entre eles estão o Museu de Ciência, a Biblioteca Pública, o famoso Museu de Arte da Filadélfia – ícone da cidade após o filme Rocky Balboa, que até hoje possui uma homenagem ao personagem na escadaria – e o meu preferido Museu Rodin. O maior acervo do artista, fora da França e que aceita doações na entrada. Pequeno, mas imperdível. Contarei mais em outro post. […]

Deixe uma resposta