Conexão em Madri? Veja um bate e volta do aeroporto de Bajaras

bate e volta - conexão em madri

Descubra o que fazer durante uma conexão na capital espanhola.

Eu e meus amigos sempre seguimos um único lema: Só se vive um vez (Yolo – you only live once)! E a vida é muito bela para desperdiça-la criando raízes em um aeroporto. Por isso, toda conexão de 6 horas ou mais, eu apoio uma leve desbravada pela cidade. Ainda mais se você não a conhece e nem faz ideia de quando poderá voltar. É um pouco corrido? Sim. Riscos podem acontecer? Sim. Mas lembre-se: Yolo.

Em Madri, durante minha viagem para a Alemanha, achei a conexão super estratégica para fazer um rolê. Tinha exatas 6 horas, no aeroporto de Bajaras – que é super conectado por transporte público e não tão distante da cidade (cerca de 30 minutos). Dê lá, dá para sair de trem, metrô, taxi ou ônibus. Mas atenção a qual terminal você chegará, pois eles são um pouco distantes um do outro.

Passo a passo

Máquinas para compra de bilhete para o trem no aeroporto de Madri

Eu cheguei no Terminal 4 (T4) e, por acaso, é de lá que saem os trens. A opção mais barata e prática de fazer o seu passeio. Nas máquinas vermelhas da Cercanías (Renfe), comprei um passe de ida e volta para a estação de Atocha. Uma estação central na cidade seguindo a indicação de outros viajantes. O bilhete custou pouco mais de 5 euros (o que é muito bom em comparação com outros países da Europa). Há uma infinidade de horários para pegar o trem e pelo site você pode consultar.

Centro de Madri, Espanha - Bate e volta do aeroporto bajaras

Ao chegar na estação você vai estar perto do Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, do Paseo del Prado, da Caixa Forum, O Museu Nacional del Prado, da Iglesia de Los Jerónimos – que é super linda- e do sensacional Parque de El Retiro, que foi onde mais gastei meu tempo. Aos fins de semana, o parque fica cheio de gente praticando esportes, fazendo piquenique ou só passeando. Como o parque é enorme, vale seguir pelo Paseo del Duque Fernan para chegar até a Estátua do Anjo Caído e depois ao Palácio de Cristal. Tudo isso fica mais fácil acompanhando o mapa da cidade que está disponível no aeroporto. Olhando o mapa com mais calma percebi que também valeria a pena saltar na Estação Recoletos, descer pelos passeios e só então voltar pela Atocha. Uma caminhada um pouco maior, mas que permitiria ver mais pontos da cidade. Todas as estações têm rede wifi o que vai ajudar a não se perder.

LEIA TAMBÉM: Blogueiro reúne senhas wi-fi em aeroportos pelo mundo

Havia ainda uma feirinha local nas imediações do Real Jardim Botânico e uma fofo carrossel bem no meio da correria da cidade. Encontrei lenços e lembrancinhas por um preço bem em conta. Além de barracas de livreiros e de amendoim torrado (huummm). Durante minha breve passagem, tramitava o referendo da Catalunha, por isso da sacada dos prédios antigos do centro de Madri, uma região geralmente mais conservadora da cidade, balançam bandeiras espanholas. O nacionalismo em meio ao país dividido. Estava um dia bonito então não havia porque não explorar essa cidade. Uma boa opção que também encontrei andando pela cidade é pegar o serviço de aluguel de bicicletas da cidade: o BiciMad, a hora custa em média 2 euros. Vale a pena baixar o aplicativo antes de partir, para já ter no celular a localização das estações. Há uma bem em frente a estação Atocha.

sistemas de bicicletas em Madri, Espanha - Nat no Mundo

Acho que é isso. Calcule seu tempo de embarque, organize-se e não esqueça de pegar seu mapa da cidade na Central de Informações turísticas do aeroporto. Bom rolê.

LEIA TAMBÉM: 100 países em que brasileiros não precisam de visto para viajar

Tem mais dicas? Divide com a gente nos comentário! 🙂

Deixe uma resposta